quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Entrevista - Banda Mute


A banda Canadense de punk rock Mute que estará novamente no Brasil, divulgando agora a We Are One Tour, ao lado das bandas Adrenalized, Belvedere e Lagwagon, concedeu uma entrevista ao site Rock na Mochila:


Informações sobre as apresentações:
https://www.facebook.com/SolidMusicEntertainment/events?key=events




1-Vamos começar falando sobre o álbum The Raven está anos luz à frente de álbuns anteriores. Na sua opinião, o que contribuiu para isso? Experimentar uma forma diferente de lidar com ele, ou o quê?

Jean-Philippe / JP - Vários fatores influenciaram a forma como o álbum que viria a se tornar "The Raven" foi feito. Primeiro de tudo, nós tivemos uma linha estável pela primeira vez na história da banda. As pessoas que tocaram neste álbum são as mesmas pessoas que ainda estão na banda hoje. Tínhamos nos tornado músico melhores e muito mais confortável tocando juntos como um grupo. Acima de tudo, nos tornamos mais ambiciosos sobre o tipo de música que queríamos togar. Queríamos ampliar os horizontes um pouco e ver onde ele iria nos levar. Sabíamos que tínhamos de melhorar todos os aspectos da banda, das letras às performances dos vocais. Uma vez que tivemos um pouco da música escrita, sabíamos que ia ser um grande passo a frente em comparação com o material anterior.

 2 Depois veio Thunderblast que até então era o álbum mais bem sucedido. E vocês estão gravando um novo material. Podemos esperar algo muito diferente dos anteriores? O álbum terá alguma versão?

JP - Neste momento, estamos no meio da gravação da bateria. O novo material não é um desvio radical do que pode ser ouvido em The Raven e Thunderblast. É mais como um seguimento lógico, ou uma mistura de ambos se você preferir. As pessoas podem esperar um skatepunk rápido, melódico e técnico. Neste momento, não estamos procurando nos reinventar. Estamos confortáveis ​​com o tipo de música que tocamos. Nós tocamos o tipo de música que gostaríamos de ouvir. A maior diferença com os registros do passado é que fizemos um extenso trabalho de pré-produção. Nós realmente nos esforçamos para garantir que este será o melhor álbum da banda

3- Fale sobre incluir “To be with you” do Mr Big no álbum Thunderblast

JP - Queríamos fazer alguns covers para incluir em versões estrangeiras como faixas bônus. Mas quando as pessoas ouviram antes do álbum sair, elas foram inflexíveis que devia estar na versão normal do álbum. Escolhemos essa música porque era bem conhecida e fácil de arranjar. Vamos ser realistas, esta canção é cativante assim como o inferno!

4 Vamos falar sobre a apresentação no Japão, em Junho, como foi, o que vocês sentiram sobre a cena punk por lá?

JP - O Japão foi ótimo! Não podemos dizer coisas boas o suficiente sobre este país e as pessoas que vivem lá. Quanto à cena do punk, para ser honesto, não é tão diferente da maioria dos locais que estivemos antes. Eu acho que podíamos ter esperado um choque de cultura maior do que realmente é. As pessoas vão aos shows para se divertir e ouvir boa música, assim como em qualquer outro lugar. A maior diferença é que shows começam muito cedo e também acabam relativamente cedo, o que é demais quando você precisa de um pouco de descanso!

5E ainda sobre punk rock, Como vocês veem o punk rock hoje em relação ao anos anteriores? Em relação às lutas, engajamento político

JP - Temos sido uma banda por mais de 15 anos, e os fãs desse tipo de música por mais tempo ainda. Nós já presenciamos muitos altos e baixos. Não há como negar que ele é menos popular do que em meados dos anos 90 e início dos anos 2000. Mas, no último par de anos, eu acho que nós podemos sentir um ressurgimento do gênero. Um monte de bandas maiores lançaram álbuns depois de uma longa ausência e alguns deles são realmente bons. Esperemos que eles criem uma dinâmica que pode levar o punk rock para a frente.

6-  Vocês conhecem alguma banda do país?

JP - Será  nossa terceira vez no Brasil ... Nós tivemos a oportunidade de tocar com algumas boas bandas do Brasil, como Bala Bane e One Minute Less. Sabemos que um monte de outras bandas do Brasil como Reffer, Dead Fish, Angra, Hangar, Krisiun, Khallice e assim por diante.

7- Podem indicar alguma nova banda na cena?

JP - Eu não sei se é que podemos chamá-los de "novas bandas", mas bandas talvez menos conhecidas. Ultimamente, nós realmente apreciamos Not On Tour, The Decline, Hate It Too, adrenalina, Nerdlinger e 1986.